PUBLICAÇÕES


Depressão na Infância: A importância do diagnóstico preococe

Psicóloga Fernanda Grendene

A depressão é um transtorno afetivo que pode acometer sujeitos de todas as faixas etárias. Na infância, é considerada um problema complexo que se origina da interação de fatores psicológicos, sócio-ambientais e biológicos. Em crianças e adolescentes os sintomas de depressão podem se manifestar de diversas formas, tais como demonstração de tristeza, desmotivação, irritabilidade, negativismo, sentimentos de inutilidade, comportamentos agressivos, pré-disposição para brigas, alterações de sono, mudanças no rendimento escolar, queixas somáticas e mudanças de apetite. Tanto em crianças como em adultos os sintomas podem ser similares, embora a idade module as características e as repercussões negativas do transtorno (Méndes, Olivares & Ros, 2011).

              O transtorno depressivo em crianças se manifesta predominantemente aos nove anos, ao passo que na adolescência aparece em torno dos 13 aos 19 anos, sendo que a presença de um Episódio Depressivo Maior na infância ou adolescência pode vir a afetar diferentes funções, tanto cognitivas quanto afetivas, além de suscitar diversos danos psicossociais (Bahls, 2002).  Em relação às crianças o autor ainda cita que, a sintomatologia mais frequente são os sintomas físicos que podem vir acompanhadas por ansiedade, fobia, agitação psicomotora, irritabilidade, entre outras manifestações. Na adolescência os sintomas apresentados são similares e acrescenta-se condutas antissociais, atividades de risco, não cooperação e dificuldade na identificação e expressão de sentimentos (Versiani & Figueira, 2000).

            Com relação ao diagnóstico da depressão na infância e adolescência é importante se investigar minuciosamente as diferentes variáveis relacionadas à ela, com intuito de se obter um diagnóstico preciso da doença, uma vez que a mesma pode estar associada a diferentes fatores, tais como os psicológicos, físicos e sociais (Wilkinson, 2009). Além disso é importante que se faça o diagnóstico o quanto antes para que que possa encaminhar a criança ou jovem para tratamento adequado uma vez que a depressão afeta o indivíduo de diversas formas e diminui a qualidade de vida do sujeito.


Publicado em 16.06.2016